Dias de derreter ~ literalmente

Nunca pensei que pudesse literalmente derreter. Essa é a sensação que ando tendo nos últimos dias. Quem vive no Sul do Brasil, principalmente, sabe o que eu estou falando. Com temperaturas que se aproximam da casa dos 35ºC, o ar-condicionado é um item obrigatório para a sobrevivência por essas bandas.

Não. Escrever sobre essa situação não vai ajudar a refrescar. Até, porque só lhes escrevo de um ambiente refrigerado, onde meus neurônios conseguem funcionar. Fora deste cômodo, meus caros, mal consigo parar em pé. 



Esse calor, cuja sensação térmica, para mim, ultrapassa os 50ºC é desumano. Não é confortável colocar uma calça jeans, não é confortável ir para a rua. Não lembro, em meus vinte e poucos anos, de ter passado por dias parecidos. Fevereiro, nunca foi tão quente. Não em minha lembrança. E, ao final dos dias, nem mesmo a terra aguenta este forno. Uma tempestade sempre chega ao cair da noite. Muitas vezes só para trazer estragos, pois nem a água da chuva consegue amenizar o calor. 

Dizem os meteorologistas que na próxima semana, uma frente fria deverá aportar por aqui. Não quer dizer que vai chover ou algo parecido. Mas que, pelo menos, as temperaturas vão cair um pouquinho. Nunca esperei tanto por dias mais amenos. 

Bolo de fubá fácil e rápido, sem glúten e sem lactose

Leite e derivados são alimentos que prefiro evitar na minha dieta. Em posts anteriores, contei minha experiência sobre ficar livre destes alimentos e as transformações que tive em meu corpo. Você pode ler aqui. Mas, e quando bate aquela vontade de comer um bolo, ou algo diferente. Opções não faltam.

Hoje, trago uma receita muito saborosa, principalmente para um café da tarde especial e que não demora muito tempo para fazer.  Este delicioso bolo de fubá Não precisa de liquidificador, nem mesmo de batedeira para ficar pronto, e o resultado é maravilhoso!



Para começar, coloco dois ovos em uma tigela e acrescento meia xícara de açúcar demerara (aqui evitamos os refinados também). Com um fue ~ ou garfos ~ eu bato os ovos com o açúcar até eles estes ingredientes ficarem bem encorpados. Em seguida, vou acrescentando os demais ingredientes, um de cada vez, e misturando.

Coloco uma xícara de fubá e duas colheres de sopa de farinha sem glúten ~ usei uma mistura pronta de farinha sem glúten, que substitui a farinha de trigo. Mas é possível trocar por farinha de arroz, se preferir.

Na sequência, coloco três colheres de sopa de óleo de soja, uma colher de sopa de mel e uma pitada de sal. Depois que a massa estiver bem homogênea é só acrescentar uma colher de sopa de fermento, incorporar novamente despejar na forma. Eu usei uma forminhas de silicone e o conteúdo rendeu seis lindos bolinhos.

Com o forno já pré aquecido em 200ºC, deixo a massa assando por cerca de meia hora. Depois é só se deliciar com essa receita!


A última carta de amor ~ Jojo Moyes

A cada palavra escrita, Jojo Moyes se mostra como uma das melhores escritoras na atualidade. Ao menos para mim. Não há uma história criada por ela que me faça desistir da leitura. Pelo contrário. Jojo Moyes agarra o leitor na primeira palavra e o carrega até a última página com tamanha facilidade.


Sabendo de tudo isto, optei por ler A última carta de amor. Não li sinopse, resenha, nada. Mesmo que o livro já tenha sido publicado há algum tempo, a história foi completamente desconhecida para mim. Fui surpreendida por Jennifer Stirling e Ellie Haworth. Duas protagonistas que vivem épocas diferentes, porém sofrem com o mesmo problema: amor.

Londres, 1960. Ao acordar em um hospital após um acidente de carro, Jennifer Stirling não consegue se lembrar de nada. Novamente em casa, com o marido, ela tenta sem sucesso recuperar a memória de sua antiga vida. Por mais que todos à sua volta pareçam atenciosos e amáveis, Jennifer sente que alguma coisa está faltando. É então que ela descobre uma série de cartas de amor escondidas, endereçadas a ela e assinadas apenas por “B”, e percebe que não só estava vivendo um romance fora do casamento como também parecia disposta a arriscar tudo para ficar com seu amante. Quatro décadas depois, a jornalista Ellie Haworth encontra uma dessas cartas endereçadas a Jennifer durante uma pesquisa nos arquivos do jornal em que trabalha. Obcecada pela ideia de reunir os protagonistas desse amor proibido — em parte por estar ela mesma envolvida com um homem casado —, Ellie começa a procurar por “B”, e nem desconfia que, ao fazer isso, talvez encontre uma solução para os problemas de seu próprio relacionamento. Com personagens realísticos complexos e uma trama bem-elaborada, A última carta de amor entrelaça as histórias de paixão, adultério e perda de Ellie e Jennifer. Um livro comovente e irremediavelmente romântico.

Enquanto Jennifer é separada do seu verdadeiro amor, por mais de 40 anos, Ellie ainda tenta encontrar aquele que irá acompanhá-la para o resto da vida. Muito mais do que uma história de amor propriamente dita, acredito que a autora quis contar, através destas duas mulheres, uma história de encontro com o próprio eu. 

Na Londres de 1960, Jennifer não estava feliz com o casamento e a vida que levava. Nos dias atuais, Ellie tenta entender o que realmente está se passando. E quando elas acabam se amando, em primeiro lugar, principalmente no caso de Ellie, o mundo parece começar a conspirar ao favor dela. As situações mudam. 


Resolvi tirar leites e derivados da minha dieta. Por quê?

Há cerca de três anos eu enfrentava crises de enxaqueca terríveis, daquelas impossíveis de aguentar. Em um dos episódios, parei no hospital, sem mesmo conseguir abrir os olhos, tamanha a dor. Depois disso, fui a neurologistas, fiz exames e nada foi encontrado. Na mesma época, sentia enjoos ao comer pizzas. Não conseguia ingerir mais de dois pedaços.

Foi então que fiz meu primeiro exame de intolerância à lactose, que apontou uma leve ~ muito leve ~ intolerância. Com acompanhamento nutricional passei a utilizar os leites e demais derivados enzimados. Com a redução no consumo do leite, minhas dores de cabeça nunca mais apareceram.


Mesmo sabendo que meu organismo não aceitava muito bem o leite, acabei relaxando. Consumia enzimados, mas sempre tinha aquele chocolate, brigadeiro, sorvete e todas as demais besteiras ~ que nem mesmo deveriam estar na alimentação de ninguém. 

Ok. 

Como não cuidei da minha alimentação nos anos seguintes acabei engordando - e muito. Me olhava no espelho e não me sentia bem comigo mesma. Por isso, voltei a procurar ajuda nutricional. Por alguns bons meses, segui o plano corretamente e adquiri bons hábitos que me acompanharão para o restante da vida (assunto para outro post). Perdi seis quilos e contei minha experiência no video abaixo.



Depois, relaxei outra vez. Mas, mantive alguns hábitos que me fizeram não voltar estar como antes. Mantive na minha alimentação o leite e derivados todos enzimados. Às vezes comia aquele chocolate, brigadeiro, milkshake, sorvete.... Enfim.

Percebi que meu corpo dava sinais que alguma coisa não estava bem. Meu nariz e minha garganta ficavam congestionados com coriza, me sentia estufada, ora tinha prisão de ventre ora diarréia ~ meu intestino não estava legal ~ e aquela dorzinha de cabeça começava a aparecer.

Se você não quer abrir mão do cafézinho com leite, existem as opções vegetais (<3 font="">

Voltei na nutricionista e pedi ajuda para tirar o leite totalmente da dieta. Não posso simplesmente parar sem saber o que comer para obter os mesmos nutrientes. Não fiz nenhum exame para saber se tenho ou não alergia. Apenas sei que, três semanas sem ingerir lácteos de qualquer tipo, todos os sintomas listados acima sumiram.

No Instagram (@gbrunatto) e no Snapchat (gbrunatto) vocês podem conferir meus hábitos alimentares mais de perto. Siga e adicione.

Lactose = é o açúcar presente no leite e derivados. Quando alguém é intolerante à lactose, o organismo não consegue digerir este açúcar, pois não produz as enzimas necessárias para isso. Ainda existem os alérgicos à proteína do leite. Consulte sempre um nutricionista para auxiliar você.   

[resenha] A História de Nós Dois ~ Dani Atkins

Dani Atkins mais uma vez me surpreendeu em uma leitura ~ tudo bem que eu suspeitava do final de Uma Curva no Tempo. Neste último caso, foi diferente. Li até a última linha e ainda assim não saber o que poderia acontecer. Mesmo lendo no meu Kobo, A História de Nós Dois me proporcionou momentos agradáveis na companhia de Emma, Caroline, Amy, Jack e Richard.

A autora inicia a narrativa nos apresentando Emma em um determinado episódio de sua vida. Contudo, a cena é mostrada através de vários fragmentos. Essa estratégia de Dani Atkins me fez ficar vidrada por todo o tempo e ansiosa para entender onde a autora queria nos levar.



Contudo, antes de revelar o final desta história, vários momentos da vida de Emma são contados. Tudo começa quando, a principal personagem  volta da despedida de solteira  e, acompanhada das duas melhores amigas, Caroline e Amy, sofre um acidente ~ não, isso não é spoiler. Tudo ocorre duas semanas do casamento com Richard, o namorado de infância.

É então que Jack é introduzido na história como o salvador. Aos poucos, o amor entre ele e Emma começa a surgir e um triângulo amoroso é criado pela autora. Porém, até a última linha, é impossível saber com quem ela passará o resto da vida.

Mesmo que possa parecer clichê, a história é conduzida por Dani Atkins de uma forma muito leve, fluida. Em nenhum momento a narrativa foi cansativa e é daqueles livros que guardarei como aqueles preferidos para o restante da vida.

Imagem via


Leitura recomendada!

Veja Desengordurante com EspumAção ~ meu queridinho na cozinha

Costumo ler muitos blogs de organização e limpeza para me inspirar a manter a casa organizada ~ mesmo que em algumas semanas isso acabe sendo bastante difícil. E vejo que muita gente fala que o principal para que a casa esteja sempre organizada é estar com a pia limpa. Por isso, sempre que termino as refeições, lá vou eu para a cozinha limpar e guardar tudo nos devidos lugares.

Entretanto, quando faço alguma fritura, aquela gordurinha impregna por toda a cozinha. E não basta apenas o detergente e uma esponjinha para limpar que continua tudo sujo e a bancada toda engordurada.


Foi então que uma propaganda na televisão me chamou muita atenção. Sabe aquela forma que fica toda engordurada depois que a gente assa alguma coisa nela? A moça só respingava o produto e ficava tudo limpo! Parecia até mágica. Quando o encontrei no mercado nem pensei duas vezes antes de colocá-lo no carrinho de compras.

Resultado: hoje ele é o meu queridinho na cozinha.

Bom, estou falando do Veja Desengordurante com EspumAção... Eu o utilizo da seguinte forma: depois que lavo a louça, esguicho um pouco do produto sobre a pia e toda a bancada e por último, passo um daqueles paninhos multiuso que não solta pelos. Além disso, passo no fogão - para mantê-lo sempre limpo - e também em toda a área da cozinha. Esguicho, por exemplo, nos armários, que engorduram bastante também e limpo com papel toalha. O meu depurador, que antes vivia amarelo, agora voltou a ser branquinho... Ah... Isso sem contar as frigideiras cobertas de óleo e as formas depois de assar algum alimento.



O Veja Desengordurante com EspumAção é um daqueles produtos que promete o que cumpre e que está na minha lista de preferidos.

Google Plus

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *